quinta-feira, 11 de fevereiro de 2016

Does it take too long to publish research? (saiu na Nature desta semana, recomendo a leitura)



http://www.nature.com/news/does-it-take-too-long-to-publish-research-1.19320

quarta-feira, 10 de fevereiro de 2016

The focus on bibliometrics makes papers less useful (saiu na Nature no mês passado, bem interessante)



http://www.nature.com/news/the-focus-on-bibliometrics-makes-papers-less-useful-1.16706

Começa assim o texto, bem provocativo:

How do we recognize a good scientist? There is an entire industry — bibliometrics — that would have us believe that it is easy: count journal articles, sort them according to the impact factors of the journals, and count all the citations.
Science managers and politicians seem especially fond of such ways to assess ‘scientific quality’. But many scientists also accept them, and use them in hiring and funding decisions. They are drawn to the alleged objectivity of bibliometrics. Indeed, one sometimes hears that scientists should be especially ready to apply scientific methods to their own output

terça-feira, 9 de fevereiro de 2016

Professores de matemática de Ugandópolis (Brasil) fazem com que as crianças odeiem contas. Resultado: é um desastre o que o povo sabe de matemática.

http://www.primeiraedicao.com.br/noticia/2016/01/28/ensino-de-matematica-no-brasil-e-catastrofico-diz-novo-diretor-do-impa

sábado, 7 de novembro de 2015

Oi pessoal, tenho estado envolvido com questões familiares e do laboratório, por isso o blog anda parado. Mas não custa retornar ao tema das vaquinhas pra pesquisadores.


Aqui uma reportagem de 01 de novembro, que vale a pena ser lida:

http://www1.folha.uol.com.br/ciencia/2015/11/1701075-cientistas-usam-a-internet-para-tentar-arrecadar-dinheiro-para-pesquisas.shtml

Fiquei triste quando soube (isso tem uns 3-4dias) que a profa. Suzana votou na Dilma, não apenas em 2010, mas ano passado também.

domingo, 18 de outubro de 2015

"O impasse do Ensino médio e o Funil do ENEM". Um excelente artigo de Simon Schwartzman. Tem mais de 15 anos que digo que há um gigantesco excesso de material pra se estudar no ensino médio. Isso é a verdadeira barreira social que impede que jovens inteligentíssimos, mas sem tempo ou recursos pra estudar tudo que é preciso, entrem nas universidades.


http://www.schwartzman.org.br/sitesimon/?p=5289&lang=pt-br

Um trecho:
No ensino médio, em todo o mundo, aos 15 anos de idade, os jovens se orientam para as áreas de estudo a que vão se dedicar, conforme seu interesse e desempenho. A maioria se prepara para a vida profissional, e só uma minoria vai para os cursos universitários tradicionais. Assim deveria ser no Brasil. Ao invés de ter aulas sobre tudo e não aprender quase nada, como hoje, deveria haver um núcleo comum de formação geral, com ênfase no uso da língua e do raciocínio matemático, que não ocupe mais do que metade das 2.400 horas requeridas ao longo de três anos, com a outra metade dedicada a uma área eletiva de formação e aprofundamento (ciências físicas, biológicas, ciências sociais ou humanidades), que prepara para estudos mais avançados, ou uma área de formação técnica e profissional, que dê uma qualificação para o mercado de trabalho, e dê acesso também um curso superior especializado. O ensino médio deve ser uma etapa de formação e qualificação, geral e profissional, e não um longo cursinho de preparação para uma universidade na qual poucos entrarão.

Abaixo, uma outra forma de acessar o texto:
https://archive.org/details/OFunildoENEMmedioLarge

sexta-feira, 16 de outubro de 2015

terça-feira, 6 de outubro de 2015

Meu identificador ORCID: 0000-0003-1732-0927


https://www.orcid.org

Muito interessante esta organização de editoras, que tem o objetivo de identificar pesquisadores de forma "unique", tendo em vista que há muitas gente com nome idêntico (se é um problema no Brasil, se você é um Silva ou um Carvalho, imagine na China!). O interessante é que ao usar o banco de dados da Scopus, identificou corretamente 70 trabalhos meus (isso levou 2 minutos). Faltou algum? Com certeza! (exemplo, meus dois capítulos do livro-texto de 2004). Mas há mais trabalhos meus nesta lista da ORCID que no PubMed ou Web of Science.

segunda-feira, 5 de outubro de 2015

A arte de revisar trabalhos (peer review) nas várias áreas da produção acadêmica, incluindo ciências humanas.


http://exchanges.wiley.com/blog/2015/10/02/the-good-the-challenging-and-the-rewarding-perspectives-on-peer-review-by-discipline/

Se há uma coisa que tenho grande experiência é na revisão de manuscritos. É algo que faço desde os anos 90. Perdi a conta da quantidade de revisões que fiz, ou mesmo de revistas que já ajudei. No momento estou com 3 artigos para revisar, todos na área de bioquímica adaptativa animal.